Blog da Manu

TNF Endurance Challenge Argentina 80K

San Martin é uma cidade que conheci há muito tempo, nos Raids de Aventura. Fiz aqui o Desafio de Los Volcanes, duas edições do Tierra Viva e o La Mision, minha primeira Ultra Trail. Tenho recordações maravilhosas dessa pequena cidade da Patagonia, e quando soube que o The North Face Endurace Challenge seria aqui, não pensei duas vezes e comprei minha passagem.

O nível competitivo estava alto. As corredoras argentinas e chilenas são muito fortes, fora a americana, Ashley Hunter, que também havia confirmado presença. Independente do quanto eu trabalhe duro para uma prova, meu pensamento antes de largar é sempre o mesmo: fazer o meu melhor. Digo isso porque as ultras de montanha são provas totalmente imprevisíveis e qualquer vacilo pode ser fatal.

Largamos às 6:20 da manhã, na praça central de San Martin, debaixo de céu estrelado e com temperatura bastante baixa. Como a previsão era de tempo bom, escolhi uma roupa que se adequasse aos dois climas. Tinha em mente começar num ritmo bem tranquilo, mas logo que largou adotei outra estratégia. Me sentia bem e buscava forçar o ritmo nas subidas inicias para abrir um pouco das outras corredoras. A Ashley seguiu no pelotão dianteiro com Mike Foote e três outros homens, e eu seguia no terceiro pelotão com mais dois outros homens. Eu estava feliz, motivada e tinha vontade de correr, por isso forçava, respeitando meu limite. O percurso alternava estradões de terra com trilhas, sempre muito bonitos.

Quando amanheceu tudo se tornou ainda mais lindo. Seguimos sempre subindo, pois até a metade da prova deveríamos chegar ao Cerro Teta, a 2050m de altura. Eu via a Ashley a distância e isso me dava a certeza de que eu estava correndo bem. Quando chegamos a Laguna Verde tivemos que fazer um pequeno “loop”. Vi que a Ashley acabava de sair, então marquei em meu relógio para saber quantos minutos eu estava atrás dela. Verifiquei que estava a 3 minutos na minha frente. Por outro lado, logo que saí do “loop” dei de cara com a Marlen Flores. Por consequência ela estava a 3 minutos de mim também. Um pouco mais a frente vinha uma corredora chilena, ou seja, a disputa seria dura ao longo de todos os 80k.

Depois disso veio a subida mais dura da prova. Saímos de Laguna Verde até o topo do Cerro Teta. Foi uma subida muito puxada e eu forçava tudo que podia. Tinha que fugir da Marlen e tentar buscar a Ashley. Eu via que a Ashley estava ficando cada vez mais perto, mas também não olhava para trás para saber onde estava a Marlen. Quando chegamos no pré-cume, alcancei a Ashley. Ela me disse que não estava muito bem e pensava em parar. Eu dizia para que seguíssemos juntas, pois seria um prazer correr com ela. Ela me olhava com cara de dúvida e me dizia que não estava num bom dia. Chegamos no abastecimento e ela me disse que ficaria ali um pouco mais para tentar se recuperar e me felicitava dizendo que eu estava muito bem. Depois disso segui sozinha.

Encarei a subida mais dura de prova, até o topo do Cerro Teta. Tinha muito cascalho, tornando a subida bastante técnica e escorregadia. O visual, em compensação, indescritível. O Lanin se fazia presente, enorme e imponente ao fundo, nos dando a certeza de que cada esforço vale a pena. Quando cheguei ali abri os braços, agradeci, e iniciei minha descida, essa também muito técnica.

Deste ponto em diante a prova se alternava muito entre estradões de terra e trilhas, mas em sua maioria trilhas. Eram todas lindas, com árvores enormes. Seus troncos eram envoltos de verde, que davam um toque ainda mais especial. Eu vinha na primeira posição mas sabia que fortes corredoras vinham atrás de mim, por isso fazia força o tempo todo. Eu não tinha informação sobre o tempo de diferença que eu tinha para a segunda corredora, por isso tinha que imaginar que estava estava sempre muito perto.

Foi então que avistei San Martin. O Lacar estava a minha esquerda, lindo, e a cidade um pouco a frente, tornando o sonho de vencer a prova mais palpável e real. Embora eu estivesse mais perto da chegada, ainda faltava um pouco e tudo poderia acontecer. Eu me mantinha concentrada e focada na meta. A trilha subia e descia constantemente e eu aguardava o trecho final, onde eu sabia que pegaríamos uma descida bastante íngreme. Quando finalmente atingi este ponto eu sabia que estava mais perto que nunca. Ao sair da trilha “Grade 8″ avistei o Gustavo Muñoz, meu amigo que me acompanhou a prova toda. Ele me dizia para correr forte pois a Marlen Flores vinha em seguida. Faltava apenas 1km. Ele correu ao meu lado, me motivando e dizendo que havia ganhado a aposta (Antes da prova apostamos uma caixa de alfajores. Ele achava que eu faria abaixo de 9 hora e eu achava que faria acima). Corremos pela rua Almirante Brown e quando viramos à esquerda, lá estava o pórtico de chegada. Avistei a Cachín (mãe do Gustavo, que também me acompanhou a prova toda) com a bandeira do Brasil que eu havia lhe dado em 2011 quando venci o La Mision. Avistei a Vilma, irmã do Gustavo, que também havia me acompanhado a prova toda e que me esperava na chegada. Foi muito emocionante. Cruzei o pórtico com um sorriso enorme e a grande satisfação de haver vencido a etapa do The North Face Endurance Challenge Argentina. Eu estava em êxtase!

Eu gostaria de agradecer a família Muñoz, que me recebeu em sua casa como parte de sua família. Isso realmente não tem preço e não tenho palavras para expressar a minha gratidão. Quero agradecer a torcida de todos, a energia positiva e por acreditarem em mim. Agradeço meu patrocinador The North Face e meus parceiros D Vitaminas, Espaço Nirvana, Alessandro Fisioterapia, e IBS Bikes por estarem ao meu lado, me dando todo o suporte que preciso para treinar e competir em distâncias tão longas. Agradeço também toda a equipe de profissionais de treinador, nutricionista, fisioterapia que me prepara em todo esse processo. Agradeço meus amigos e especialmente minha família, que me apoia, me entende, e aceita as minhas escolhas na vida.

Gostaria de parabenizar a organização do The North Face Endurance Challenge por uma prova tão organizada e bem estruturada, assim como Nick Moore, o diretor de percurso que sempre sabe fazer uma prova     dura e ao mesmo tempo maravilhosa.

Que venha a próxima!

6 comentários para “TNF Endurance Challenge Argentina 80K

  1. Tenha a certeza de que grande parte da minha evolução, envolvimento e motivação nesse esporte, muito se deve às suas experiências contadas aqui. Continue firme, continue sendo essa referência para tantas pessoas, continue motivando, continue sorrindo…continue sendo você. Aaa e continue escrevendo também rs. Parabéns, campeã. Fiquei feliz com seu triunfo no dia do meu aniversário :) Depois de quase 4 meses de treino, agora é hora de correr pra valer. Ate o fim de abril tenho 3 provas e não poderia estar mais animado. Beijos!

  2. PARABÉNS MANU, SEMPRE TE ACOMPANHO E TORÇO MTO POR VC, É MINHA INSPIRAÇÃO, SOU AMADORA MAS PROCURO SEMPRE FAZER O MELHOR!! VC É DEMAIS!!! ESPERO UM DIA PODER TE DAR UM ABRAÇO!! FÃ !!! DESEJO O MELHOR PARA VC!! GRANDE ABRAÇO!

    • Oi Ana Lucia!

      Muito obrigada pelo recado carinhoso. Tenha certeza de que pessoas como você me motivam a seguir sempre buscando meu melhor, seja dentro das provas como fora delas. Se eu sou inspiração para você, você também é para mim. Certamente nos encontraremos em alguma prova :)

      Beijos

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>